Se A Ilha do Governador fosse nossa!

No dia 17 de abril moradores da Ilha do Governador se reuniram no Corredor Esportivo para falar do bairro.

Sobre educação, os moradores discutiram a greve dos professores e a ocupação das escolas. Os alunos da primeira escola ocupada do RJ, Mendes de Moraes, estiveram presentes e pontuaram sobre o apoio a greve dos professores, contra os cortes do governo na educação e falaram sobre suas pautas mais específicas como: eleições para diretor, a exigência de salas climatizadas e fim do currículo mínimo e do SAERJ. Eles pontuaram que o Mendes é modelo só em infraestrutura e que faltam professores, alimentação, materiais. Além disso, enfatizaram o caráter democrático da ocupação e sobre deliberar por assembléias, garantindo a participação de todos.

13001293_1729025250674643_7012598138220364003_n

O Movimento Inclusão Legal pontuou a importância de uma inclusão de qualidade e criticou a forma como a prefeitura do PMDB sucateia e secundariza a educação especial; pois os alunos incluídos ficam poucas horas na escola além de serem muitos alunos para poucos professores.

Além disso, foi discutida a saúde no bairro, com um recorte de territorial dentro do acesso a saúde; sobre como o social influencia diretamente no bem estar e na qualidade de vida do indivíduo.

Sobre mobilidade, os moradores afirma que na ilha do governador o acesso é cada vez mais precarizado. Nesse ponto foi levantada a necessidade de ampliar os transportes de massa. A aproximação das barcas com a Ilha do fundão – necessidade de voltar o funcionamento das barcas da Ribeira – adiantar o horário da primeira barca pra 5h e retomar o projeto de trem para ilha de 2007.

Os jovens trouxeram a dificuldade do acesso à cultura na Ilha: a pista de skate sucateada, a perseguição policial aos movimentos de juventude. A juventude na ilha não tem onde se concentrar e nem espaços de socialização.