84% das ruas de SP que homenageiam pessoas se referem a homens

Via Catraca Livre

Doutor Arnaldo, Heitor Penteado, Teodoro Sampaio, Ramos de Azevedo e Brigadeiro Faria Lima. O que esses nomes têm em comum, além de representarem logradouros importantes da cidade de São Paulo? São todos homenagens a homens que ficaram famosos na história por diferentes feitos ou funções que desempenharam.

Historicamente, as mulheres sofrem com o machismo em todos os âmbitos, tanto em relação à violência cotidiana, quanto na questão da desigualdade salarial e de oportunidades. Como reflexo dessa cultura patriarcal, que vem sendo combatida por grupos feministas cada dia mais, a quantidade de mulheres homenageadas em ruas, avenidas e praças da capital paulista é bem menor que a de homens.

Em levantamento inédito para o Catraca Livre, a empresa proScore apontou que entre o total de avenidas, praças, ruas, travessas e viadutos na cidade (50.647), os homens recebem homenagens em 21.694 (42%), enquanto as mulheres aparecem em apenas 3.962 (7%).