Propostas do encontro Cidades Colaborativas

 

O movimento Se a Cidade Fosse Nossa organizou o encontro “Cidades Colaborativas: tecnologia,participação”, no dia 27 de junho,onde os participantes do encontro se dividiram em três grupos para debater e pensar ideias para tornar nossa cidade mais participativa.

Ao refletir sobre quais valores e conceitos devem servir de horizonte para esta construção, os participantes destacaram o respeito à diversidade; a sustentabilidade humana e ecológica baseada no bem comum, e a construção coletiva autônoma através da colaboração, como forma de garantir direitos para todo(a)s.

Veja abaixo as propostas  formuladas no encontro.

Governança e participação

  • Transparência total do orçamento público em linguagem acessível, meio online e dados sempre atualizados
  • Aplicação do princípio de transparência ativa, onde todas interações dos cidadãos devem ter resposta por parte do poder público
  • Clareza para o cidadão sobre os canais, processos e instâncias de decisão sobre cada assunto do cotidiano, a fim de facilitar a ação da pessoa comum no espaço público
  • Gabinete virtual e público: acesso online às informações dos gabinetes, com interações periódicas com a população e transmissão de audiências, reuniões, leilões e outras atividades de interesse público.
  • Rede social cidadã popular, de código aberto, para análise coletiva de indicadores quantitativos e qualitativos
  • Radicalização do acesso a informação sobre o que acontece na câmara dos vereadores
  • Subprefeituras mais efetivas, voltadas para o incentivo à participação popular
  • Desafios do poder público em fase de discussão devem ser levados à população para criação coletiva de estratégias
  • Decisões estratégicas do poder público para toda a cidade devem ser tomadas através da consulta e participação popular por meios digitais e presenciais
  • Consulta de mudanças nos bairros, que afetam o dia-a-dia das pessoas, por reuniões presenciais e virtuais
  • Implementação gradual de processos de participação que habilitem a criação de conselhos populares deliberativos – por bairro e por tema
  • Grupos que realizem imersões dentro das secretarias para reformar processos com os princípios de colaboração e transparência
  • Fomento ao desenvolvimento de mídias alternativas

 

Planejamento Urbano

  • Mapeamento dos espaços públicos subutilizados para planejamento e utilização coletiva (referências)
  • Revisão participativa do Plano Diretor
  • Descentralização e extensão para toda a cidade de políticas públicas de geração de renda, incentivo às economias locais e combate à segregação social
  • Ampliação, manutenção e diversificação do mobilário urbano coletivo, inclusive com a implementação de tomadas elétricas nas praças, por exemplo
  • Garantia da implementação das normas de sustentabilidade na construção civil, transporte e serviços públicos

 

Tecnologia

  • Universalização do acesso à internet

Wi-fi gratuito em praças, favelas e transporte público

  • Programas de inclusão digital

Curso público de programação

 

Sustentabilidade

  • Incentivo à criação de estruturas urbanas que fomentem o desenvolvimento econômico regional aliado à sustentabilidade ambiental

Ecovilas urbanas

Alimentação agroecológica de origem local na merenda escolar

Canal de informações sobre hábitos saudáveis e sustrentáveis

  • Acesso a programas de saúde holística

Programas de meditação, Ioga e outras atividades em espaços públicos

  • Acesso a programas de integração social

Programas de resgate à dignidade humana

Oportunidade para reinserção social

Programas de formação de direitos humanos

Educação

  • Transformação da educação, incorporando princípios colaborativos e saindo de modelos tradicionais

Universidade pública com modelo p2p

Reforma curricular nas escolas públicas

Universidade livre na praça

Eleições diretas para unidades escolares

Transporte

  • Universalização do transporte público em uma matriz multimodal, com ampliação da gratuidade e funcionamento 24 horas